Tumores e Paralisia Facial
24/06/2020
Paralisia Facial Congênita
24/06/2020
Mostrar todas

Trauma e Paralisia Facial

As lesões do nervo facial pós trauma é a segunda causa mais comum de Paralisia Facial, responsável por até 20% dos casos.

Essa é uma causa importante no segmento pediátrico, depois das paralisias congênitas.

Diversos mecanismos de trauma podem lesar o nervo facial, sendo importante fator para determinar o seguimento e o tratamento da paralisia facial.

Cada caso deve ser analisado detalhadamente por um ESPECIALISTA para tratamento da Paralisia Facial. Cuidados específicos com o olho e reabilitação neuromuscular também são fundamentais.

Quais são os principais mecanismos de trauma que lesam o nervo facial?

  • Fratura da base de crânio
  • Traumas Penetrantes na Face e Pescoço
  • Trauma de Parto – ao nascimento com uso do Fórceps
  • Iatrogênico – em procedimentos cirúrgicos ou não invasivos
  • Barotrauma em mergulhos ou em altas altitudes
  • Trauma elétrico

Fraturas da Base do Crânio

O nervo facial pode ser acometido em até 10% das fraturas da base do crânio. Geralmente são traumas diretos na região temporal de alto impacto, como em acidentes de colisão com veículos. Agressões e quedas também são comuns.

Na fase aguda, exames de imagem demonstram o padrão das fraturas. A depender do grau suspeito de lesão do nervo facial, pode ser indicada cirurgia de descompressão até reconstrução do nervo. Geralmente corticoides são utilizados para controlar o edema local e compressão do nervo.

Os pacientes que recuperam têm maior chance de desenvolver Sincinesias e necessitam tratamento complementar no seguimento.

Traumas Penetrantes na Face e Pescoço

Os traumas com cortes e paralisia facial na região da face e pescoço podem ter causado lacerações completas no tronco do nervo facial ou nos seus ramos. Esses traumas podem ser por facas, quedas, mordeduras de cães e armas de fogo.

Cada caso deve ser avaliado detalhadamente para determinar o seguimento ou se uma cirurgia é necessária.

A explorarão cirúrgica pode ser necessária para avaliar a possibilidade de reconstrução imediata do nervo em casos específicos.

Gostou do conteúdo deste artigo? Acompanhe o Instagram@paralisiadeface – e também inscreva-se no canal do YouTube da Dra. Rachel Baptista para novidades sobre Paralisia Facial.

Dra. Rachel Baptista
Dra. Rachel Baptista
Rachel Baptista é formada e pós-graduada pela USP, com especialização e experiência reconhecida nos maiores centros de reconstrução plástica do mundo. Participação nas reconstruções de face e membros mais importantes do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


CONTATO
×